Ajude este projeto de Evangelização. Clique na figura ao lado e vote no site para o Prêmio Top Catolicanet

 

 

 

 

Dinâmicas para Grupos Jovens & MEJ
Parte 1                                 

Nesta seção você encontra dinâmicas de conhecimento mútuo e interação para nossos jovens e adolescentes.

 

01 - Dinâmica: Cristo no irmão


Objetivo: Ver no próximo a pessoa de Jesus Cristo.

Ação: Com no máximo 10 (dez) pessoas, forma-se uma fila, lado, a lado.Depois, com um crucifixo de tamanho médio (1mt + ou - de altura), diz o
seguinte para que cada um faça: Dar um beijo na imagem de Jesus Cristo, na parte em que mais te toca no coração! Feito isso, mandar o primeiro da fila
dar um beijo, no mesmo local que deu na imagem, na pessoa do seu lado direito, seguindo adiante com o segundo beijando o terceiro, e assim por
diante, ate completar todos. Finalizado esta ação, passar uma mensagem envolvendo estas palavras: humildade: amor ao próximo; ou pedir para que
alguém, que participou da dinâmica, transmitir o que aprendeu.

 


02 - Dinâmica das Varinhas

Material a ser usado: Um feixe de 16 varinhas (pode-se usar palitos de churrasco)

Objetivo: União do grupo. A fé como força que pode agregar, unir e dar resistência às pessoas.

1. Pedir que um dos participantes pegue uma das varinhas e a quebre. (o que fará facilmente).

2. Pedir que outro participante quebre cinco varinhas juntas num só feixe
(será um pouco mais difícil).

3. Pedir que outro participante, quebre todas as varinhas que restaram, se
não conseguir, poderá chamar uma outra pessoa para ajudá-lo.

4. Pedir que todos os participantes falem sobre o que observaram e
concluíram.

5. Terminar com uma reflexão sobre a importância de estarmos unidos.


_______________________________________________________

03 - Dinâmica: A palavra que transforma

OBJETIVO : Fazer o grupo refletir de que forma assimilamos a PALAVRA DE DEUS em nossas vidas.

MATERIAL : um bolinha de isopor, um giz, um vidrinho de remédio vazio, uma esponja e uma vasilha com água.

DESENVOLVIMENTO : • Explicar que a água é a Palavra de Deus e os objetos somos nós. • Dê um objeto para cada pessoa. • Colocar 1º a bolinha
de isopor na água. • Refletir : o isopor não afunda e nem absorve a água. Como nós absorvemos a Palavra de Deus ? Somos também impermeáveis ? •
Mergulhar o giz na água. • Refletir : o giz retém a água só para si, sem repartir. E nós? • Encher de água o vidrinho de remédio. Despejar toda a água que ele se encheu. • Refletir : o vidrinho tinha água só para passar para os outros, mas sem guardar nada para si mesmo. E nós ? • Mergulhar a esponja e espremer a água. • Refletir: a esponja absorve bem a água e mesmo espremendo ela continua molhada.

ILUMINAÇÃO BÍBLICA : Is 40,8 ; Mt 7,24 ; 2Tm 3,16

 


04 - Dinâmica: Duas máscaras

Material: Folhas em branco, Canetas ou hidrocor, Barbante de 50 cm, Tesoura.

Desenvolvimento : Cada participante recebe um folha em branco. Em cada lado da folha desenha uma máscara e escreve :

Lado 1 : Aquilo que acha que é. ( alegre, triste, feio, bonito. ) ( Como me vejo )

Lado 2 : Escreve como os outros me vêem. ( 3 aspectos como os outros me vêem. )

Colocar a máscara no rosto do lado "como me vejo". Circular pelo ambiente lendo o que está escrito na máscara dos outros e deixando que as
pessoas leiam o que está escrito na sua.

Após um tempo, mede-se o lado da máscara e continua a circular, se conhecendo.

Partilhar em grupo como cada um acha que é, o que os outros acham, etc...

 


05 - Dinâmica: Luz do mundo


Duração: aprox. 20 min;

Material: uma vela para cada participante, ambiente escuro (ideal se for feito a noite ou em sala que possa ter as janelas fechadas), fósforo ou isqueiro, pedaços de papel, lápis ou caneta., durex ou barbante.

Sentados em circulo, sugerir que fechem os olhos e façam uma oração silenciosa, por alguns minutos; enquanto isso apague as luzes do ambiente. Comentar sobre a escuridão do ambiente, se é confortável ficar assim sentado no escuro, o que eles fazem quando acaba a luz. O coordenador acende uma vela e lê o texto de Mateus 5. 14-16. Perguntas: O que quer dizer este texto? Adianta eu acender esta vela e colocá-la atrás de mim? (coloque a vela acesa atrás de vc) Melhora se eu colocar a vela a minha frente e mais para o alto? (mostre a vela) E se cada um de nós tivesse uma vela, ficaria mais claro? O coordenador levanta e dá a cada participante uma vela, mas não acende. Ficou mais claro? Não, por que? O que falta? Cristo disse que ele era a luz do mundo, de que
luz ele está falando? Ele quer iluminar os cantos escuros do mundo, como? Através de sua Palavra, de seu amor, de sua morte na cruz. O coordenador
sugere que cada um acenda a vela do seu vizinho dizendo algo sobre Cristo e ele começa colocando a chama de sua vela na do vizinho do lado
(atenção com os cabelos e com pingar cera derretida sobre as pernas), dizendo algo como: "Cristo te ama" ou "Jesus quer que você seja Luz do Mundo", cada participante deve fazer o mesmo, com o vizinho ao lado, falando uma frase diferente. Agora ficou mais claro o nosso ambiente, claro com a luz de Cristo. E o que Cristo diz desta luz, ela deve ficar escondida? O que nós devemos fazer com esta luz? Deixar um momento de reflexão e oração; acender as luzes da sala e apagar as velas. Pedir que falem sobre o que pensaram e sugerir uma atividade para levar a luz de Cristo para outros: Escrever num pedaço de papel o versículo e a frase que lhe foi dita ao acender a vela. atar o papel a vela, com durex ou barbante (de forma que possa ler o escrito); presentear esta vela aos pais ou a um amigo.

 

06 - Dinâmica: Auto confiança

 

Material: Venda para os olhos.

Desenvolvimento : Formar duplas com todo o grupo.

Em cada dupla, uma pessoa é vendada e a outra a conduz para dar um passeio fazendo-a passar por situações diversas ( se possível ) Escadas, por
meio de cadeiras. Depois de alguns minutos, inverter os papéis. No final, fazer uma avaliação : Como foi a experiência, como se sentiu?, como foi ser
conduzido?, como foi conduzir? "Devemos nos entregarmos nas mãos de Deus sem medo, deixar Deus nos conduzir."

 

07- Dinâmica do nó

 

Material: Não é necessário

Desenvolvimento : Os participantes de pé, formam um círculo e dão as mãos. Pedir para que não se esqueçam quem esta a seu lado esquerdo e direito.

Após esta observação, o grupo deverá caminhar livremente. a um sinal do animador o grupo deve para de caminhar e cada um deve permanecer no
lugar exato que está. Então cada participante deverá dar a mão a pessoa que estava a seu lado (sem sair do lugar, ou seja, de onde estiver ) mão
direita para quem segurava a mão direita e mão esquerda para quem segurava a mão esquerda. (como no início ) Com certeza, ficará um pouco difícil devido a distância entre aqueles que estavam próximos no início, mas o animador tem que motivar para que ninguém mude ou saia do lugar ou troque o companheiro com o qual estava de mãos dadas.

Assim que todos estiverem ligados aos mesmos companheiros, o animador pede que voltem para a posição natural, porém sem soltarem as mãos e em
silêncio. ( O grupo deverá desamarrar o nó feito e voltar ao círculo inicial, movimentando-se silenciosamente.) Se após algum tempo não conseguirem voltar a posição inicial, o animador libera a comunicação.

Enfim, partilha-se a experiência vivenciada. (destacar as dificuldades. )

Obs : Sempre é possível desatar o nó completamente, mas quanto maior for o grupo, mais difícil fica. Sugerimos que se o grupo passar de 30, os demais ficam apenas participando de fora.

 


 

08 - Dinâmica: PIPOQUEIRO

A reunião do grupo (um grupo com 2 anos de caminhada, mas ainda na fase da nucleação, com membros em média de 15 a 16 anos) não foi muito
positiva, vários membros não prestaram atenção, a discussão foi monopolizada varias vezes pela coordenadora, no entanto essa brincadeira mudou muito o
humor de alguns participantes Trata-se do " PIPOQUEIRO ", uma dinâmica ou jogo comunitário que serve como lazer ...

1. Os participantes são colocados em um semi-círculo.
2. É estabelecida uma hierarquia dessas pessoas (por exemplo): na Igreja: [papa, bispo, etc.. até o PIPOQUEIRO, que é o último]
3. Começa-se assim - O Papa (se utilizarmos a hierarquia da Igreja) dá inicio ao jogo dizendo: "O Papa passou vistoria na Igreja e sentiu falta do
Sacristão. A pessoa que está como sacristão levanta-se (por estar num cargo abaixo do Papa) e diz: O Sacristão nao falta. Quem falta é o PIPOQUEIRO... O
PIPOQUEIRO se levanta (por estar abaixo do sacristão) e diz: O PIPOQUEIRO nao falta, quem falta é o padre. O padre diz (nao se levanta, por estar
acima do PIPOQUEIRO) e diz: "O padre nao falta. quem falta é o..." e assim por diante, sempre prestando atenção para tomar cuidado com a hierarquia. Se
um membro erra ao se levantar, ou por nao se levantar, ou por engasgar, ameacar levantar, essa pessoa vai imediatamente para o lugar do PIPOQUEIRO,
o que torna o jogo dinamico, e que também as pessoas devam memorizar a ordem dos cargos.

Bem, como falei, fiquei surpreso com o efeito dessa brincadeira, que resolvi chamar de dinâmica pois ao final tomamos como lição do jogo:

"É necessário estarmos preparados para ouvir e falar claramente, para uma boa dinâmica de grupo."

09 - Dinâmica: O BONECO

Objetivo: Fazer o grupo refletir de que forma assimilamos a PALAVRA DE DEUS em nossas vidas. Material: uma bolinha de isopor, um giz, um vidrinho de remédio vazio, uma esponja e uma vasilha com água. Descrição:

•  Primeiro se explica que a água é a palavra de Deus e que o objeto somos nós, depois se coloca a água na vasilha, e alguém mergulha o isopor, após ver o que ocorre com o isopor, mergulhar o giz, depois o vidro de remédio e por último a esponja.

•  Explicar que a água é a Palavra de Deus e os objetos somos nós. Dê um objeto para cada pessoa.


•  Colocar 1º a bolinha de isopor na água.


•  Refletir: o isopor não afunda e nem absorve a água. Como nós absorvemos a Palavra de Deus? Somos também impermeáveis?

•  Mergulhar o giz na água.


•  Refletir: o giz retém a água só para si, sem repartir. E nós?

•  Encher de água o vidrinho de remédio. Despejar toda a água que ele se encheu.


•  Refletir : o vidrinho tinha água só para passar para os outros, mas sem guardar nada para si mesmo. E nós ?

•  Mergulhar a esponja e espremer a água.


•  Refletir: a esponja absorve bem a água e mesmo espremendo ela continua molhada.


•  ILUMINAÇÃO BÍBLICA : Is 40,8 ; Mt 7,24 ; 2Tm 3,16

 

 

10 - Dinâmica: 30 SEGUNDOS

- Fonte: Grupo Caminhando na Fé
- Participantes: 10 a 30 pessoas
- Tempo Estimado: 30 minutos
- Modalidade: Debate.
- Objetivo: Estimular a participação de todos por igual nas reuniões e evitar interrupções paralelas.
- Material: Nenhum.
- Descrição: O coordenador apresenta um tema a ser discutido pelo grupo. Baseado neste tema, cada integrante tem trinta segundos para falar sobre o assunto apresentado, sendo que ninguém, em hipótese alguma, pode ultrapassar o tempo estipulado, ao mesmo tempo em que os outros integrantes devem manter-se em completo silêncio. Se o comentário terminar antes do término do tempo, todos devem manter-se em silêncio até o final deste tempo. Ao final, a palavra o tema pode ser, então, debatido livremente. O coordenador também pode desviar, utilizando como tema, por exemplo, "saber escutar e falar",
introduzir questões como:

* Sabemos respeitar e escutar (e não simplesmente ouvir) a opinião do outros?
* Conseguimos sintetizar nossas opiniões de maneira clara e objetiva?

 


 11 - Dinâmica: TROCA DE UM SEGREDO

- Fonte: Grupo Santa Clara
- Participantes: 15 a 30 pessoas
- Tempo Estimado: 45
- Modalidade: Problemas Pessoais.
- Objetivo: Fortalecer o espírito de amizade entre os membros do grupo.
- Material: Lápis e papel para os integrantes.
- Descrição: O coordenador distribui um pedaço de papel e um lápis para cada integrante que deverá escrever algum problema, angústia ou dificuldade por que está passando e não consegue expressar oralmente. Deve-se recomendar que os papéis não sejam identificados a não ser que o integrante assim desejar. Os papéis devem ser dobrados de modo semelhante e colocados em um recipiente no centro do grupo. O coordenador distribui os papéis aleatoriamente entre os integrantes. Neste ponto, cada integrante deve analisar o problema recebido como se fosse seu e procurar definir qual seria a sua solução para o
mesmo. Após certo intervalo de tempo, definido pelo coordenador, cada integrante deve explicar para o grupo em primeira pessoa o problema recebido e solução que seria utilizada para o mesmo. Esta etapa deve ser realizada com bastante seriedade não sendo admitidos quaisquer comentários ou perguntas. Em seguida é aberto o debate com relação aos problemas colocados e as soluções apresentadas.Possíveis questionamentos:

- Como você se sentiu ao descrever o problema?
- Como se sentiu ao explicar o problema de um outro?
- Como se sentiu quando o seu problema foi relatado por outro?
- No seu entender, o outro compreendeu seu problema?
- Conseguiu por-se na sua situação?
- Você sentiu que compreendeu o problema da outra pessoa?
- Como você se sentiu em relação aos outros membros do grupo?
- Mudaram seus sentimentos em relação aos outros, como conseqüência da dinâmica?

 


12 - Dinâmica: ABRA O OLHO MEU IRMÃO


- Fonte: Livro Recriando Experiências (Grupo Maria de Nazaré)
- Participantes: 7 a 30 pessoas
- Tempo Estimado: 20 minutos
- Modalidade: Visão da Sociedade.
- Objetivo: Tomar consciência da luta desigual que enfrentamos em nossa sociedade.
- Material: Dois panos para fechar os olhos e dois chinelos ou porretes feitos com jornais enrolados em forma de cacetete.
- Observação: Possíveis leituras do Evangelho - Mc 10, 46-52 ou Lc 24, 13-34.
- Descrição: Dois voluntários devem ter os rostos cobertos e devem receber um chinelo ou porrete. Depois devem iniciar uma briga de cegos, para ver quem acerta mais o outro no escuro. O restante do grupo apenas assiste. Assim que inicia a "briga", o coordenador faz sinal para o grupo não dizer nada e desamarra a venda dos olhos de um dos voluntários e deixa a briga continuar. Depois de tempo suficiente para que os resultados das duas situações sejam bem observados, o coordenador retira a venda do outro voluntário e encerra a experiência, abrindo um debate sobre o que se presenciou no contexto da sociedade atual. A reação dos participantes pode ser muito variada. Por isso, é conveniente refletir algumas posturas como: indiferença x indignação; aplaudir o agressor x posicionar-se para defender o indefeso; lavar as mãos x envolver-se e solidarizar-se com o oprimido, etc. Alguns questionamentos podem judar, primeiro perguntar aos voluntários como se sentiram e o por quê. Depois dar a palavra aos demais participantes. Qual foi a postura do grupo? Para quem torceram? O que isso tem a ver com nossa realidade? Quais as cegueiras que enfrentamos hoje? O que significa ter os olhos vendados? Quem estabelece as regras do jogo da vida social, política e econômica hoje? Como podemos contribuir para tirar as vendas dos olhos daqueles que não enxergam?

 


13 - Dinâmica: AFETO

- Fonte: Grupo Nossa Senhora de Guadalupe
- Participantes: 7 a 30 pessoas
- Tempo Estimado: 20 minutos
- Modalidade: Demonstração de Afeto.
- Objetivo: Exercitar manifestações de carinho e afeto.
- Material: Um bichinho de pelúcia.
- Descrição: Após explicar o objetivo, o coordenador pede para que todos formem um círculo e passa entre eles o bichinho de pelúcia, ao qual cada  integrante deve demonstrar concretamente seu sentimento (carinho, afeto, etc.). Deve-se ficar atento a manifestações verbais dos integrantes. Após a experiência, os integrantes são convidados a fazer o mesmo gesto de carinho no integrante da esquerda. Por último, deve-se debater sobre as reações dos integrantes com relação a sentimentos de carinho, medo e inibição que tiveram.

 

14 - Dinâmica: CASA, MORADOR E TERREMOTO

- Fonte: indefinida .
- Participantes: De 5 trios para cima mais 2 pessoas . Exemplo: 6 trios (6x3 18 pessoas ) + 2 pessoas . Total 20 pessoas .
- Tempo Estimado: até que a mesma pessoa sobre três vezes .
- Modalidade: Quebra Gelo.
- Objetivo: Fazer com que os jovens que participarão de uma assembléia ou reunião do tipo se soltem e participam mais soltos .
- Material: uma cadeira ou banco e um espaço não muito apertado.
- Descrição: O ANIMADOR fica encima da cadeira ou banco explicando para que se formem os trios, sendo que em cada trio ficam duas pessoas, uma de frente para outra, de mãos dadas e a terceira pessoa no meio das duas . Após formado todos os trios, tem que ficar sobrando uma pessoa ( somente uma
pessoa ) . O ANIMADOR vai descrevendo os papéis de cada um . Aqueles que estão no trio no meio das duas pessoas serão os MORADORES, os que estão de mãos dadas serão as CASAS e aquele que sobrou deverá, após o comando, fazer parte de uma CASA ou ser um MORADOR . Os comandos:

1.o) Quando o ANIMADOR falar MORADOR, aí os MORADORES de cada trio deverão sair de suas CASAS e procurar outra, aquele que estava de fora aproveitará e procurará uma nova CASA .

2.o) Quando o ANIMADOR falar CASA, as CASAS deverão deixar seus MORADORES e procurar outro MORADOR mas só pode sobrar uma pessoa, se sobrar duas pessoas os integrantes da CASA poderão virar um MORADOR .

3.o) Quando o ANIMADOR falar TERREMOTO aí vai ser uma bagunça geral, tanto os MORADORES quanto as CASAS deverão se desmanchar por completo e formarem novas CASAS e novos MORADORES . Aquela pessoa que sobrar três vezes deverá pagar um mico pré determinado ou não .
Possíveis questionamentos:


- Vocês se concentraram para entendimento da dinâmica ?
- Houve algum tipo de vantagem ou combinação, tipo panelinha, para que o amigo mais próximo não sobrasse ?
- Houve respeito na hora da explicação da dinâmica ?
- Alguém se preocupou de incentivar os mais tímidos a participarem da dinâmica ?

 

15 - Dinâmica: ESCRAVOS DE JÓ

- Fonte: indefinida .
- Participantes: Quantas pessoas quiserem .
- Tempo Estimado: indeterminado .
- Modalidade: Ação coletiva .
- Objetivo: Desenvolver uma preocupação coletiva para que todos acertem senão o objetivo não será alcançado porquê todos os integrantes do grupo são
importantes na execução de uma tarefa .
- Material: Um pé do próprio calçado do participante e um lugar onde possa formar um círculo de acordo com o número dos participantes .
- Descrição: O ANIMADOR explicará sobre esta antiga brincadeira de passar o objeto ( no caso o calçado ) de acordo com a letra da música:

"Escravo de jó/
Jogava cachangá/
Tira/Põe/Deixa ficar/
Guerreiros com guerreiros fazem/
Zig-Zig-Zá/
Guerreiros com guerreiros fazem/
Zig/Zig/Zá"

Os participantes deverão retirar um de seus calçados, formarem um círculo agachados, colocarem o calçado em frente de si mesmos e quando começar a
música todos deverão passar simultaneamente e compassadamente os calçados para o seu respectivo vizinho no sentido anti-horário até quando falar
"Cachangá" . Quando falar "tira" todos os participantes deverão pegar o calçado e levantar, quando falar "Põe" deverão abaixar o calçado na sua própria frente . Quando falar "Deixa ficar" todos deverão largar o calçado em suas frentes e fazer o gesto simbólico de "fica aí" . De "guerreiros" até "fazem" volta a passar o calçado para o vizinho no mesmo sentido anti-horário e na parte "zig/zig/zá" simultaneamente todos pegam o calçado sem soltá-lo colocam na frente do vizinho, volta na sua frente e deixa na frente do vizinho, isto tudo de acordo com o ritmo da música .


Possíveis questionamentos:
- Certamente, quanto mais participantes todos perguntarão porquê não conseguem terminar a música com todos acertando a dinâmica ?
- Você poderá questionar se alguns só faziam a sua parte ou se além da sua parte orientavam seus vizinhos para não errarem !


16 - Dinâmica: COMPRIMIDO PARA A FÉ


Material a ser usado: Três copos com água. Três comprimidos efervescentes. (aqueles com envelope tipo sonrisal)
Utilidade pastoral: Nós, Templo do Espírito Santo. A graça de Deus na vida do cristão.


1. Colocar três copos com água sobre a mesa.
2. Pegar três comprimidos efervescentes, ainda dentro da embalagem.
3. Pedir para prestarem atenção e colocar o primeiro comprimido com a embalagem ao lado do primeiro copo com água.
4. Colocar o segundo comprimido dentro do segundo copo, mas com a embalagem.
5. Por fim, retirar o terceiro comprimido da embalagem e colocá-lo dentro do terceiro copo com água.
6. Pedir que os participantes digam o que observaram.


17 - Dinâmica: COMUNICAÇÃO GESTICULADA
- Fonte: Grupo Caminhando na Fé
- Participantes: 15 a 30 pessoas
- Tempo Estimado: 30 minutos
- Modalidade: Comunicação Gestual.
- Objetivo: Analisar o processo de comunicação gestual entre os integrantes do grupo.
- Material: Aproximadamente vinte fichas com fotografias ou desenhos para serem representados através de mímicas.
- Descrição: O coordenador auxiliado por outros integrantes deve encenar através de mímicas (sem qualquer som) o que está representado
nas fichas, cada qual em um intervalo de aproximadamente um minuto.Os demais integrantes devem procurar adivinhar o que foi
representado. Em seguida, deve-se comentar a importância da comunicação nos trabalhos e atividades do cotidiano, bem como do
entrosamento dos integrantes do grupo para que juntos possam até mesmo sem se comunicar entender o que os outros pensam ou desejam
fazer.


18 - Dinâmica: CONHECENDO MELHOR O GRUPO
- Fonte: Grupo João Paulo II
- Participantes: 7 a 15 pessoas
- Tempo Estimado: 20 minutos
- Modalidade: Objetivos Individuais.
- Objetivo: Compreender os objetivos individuais e sua relação com o grupo.
- Material: Lápis e papel para os integrantes.
- Observação: O horizonte do desejo pode ser aumentado, como por exemplo, um sonho que se deseja realizar no decorrer da vida.
- Descrição: O coordenador pede aos integrantes que pensem nas atividades que gostariam de fazer nos próximos dias ou semanas (viagens, ir bem numa prova, atividades profissionais, familiares, religiosas, etc.). Então, cada integrante deve iniciar um desenho que represente o seu desejo na folha de ofício. Após trinta segundos o coordenador pede para que todos parem e passem a folha para o vizinho da direita, e assim sucessivamente a cada trinta segundos até que as folhas voltem à origem. Então cada integrante descreve o que gostaria de ter desenhado e o que realmente foi desenhado. Dentre as conclusões a serem analisadas pelo coordenador pode-se citar: * Importância de conhecermos bem nossos objetivos individuais e
coletivos;


* Importância de sabermos expressar ao grupo nossos desejos e nossas dificuldades em alcançá-los;
* O interesse em sabermos quais os objetivos de cada participante do grupo e de que maneira podemos ajudá-los;
* Citar a importância do trabalho em grupo para a resolução de problemas;
* Outros

Indicar esta página a um amigo ::

Tell a Friend

 


 
Receba mais informações e conteúdos participando do nosso Grupo em:
www.facebook.com/groups/portaldecatequese.catequistabrunovelasco
 
"Ser catequista é experimentar o humano e almejar  o divino"  -  Catequista Bruno Velasco, MEJ.
Desenvolvido para I.Explorer 7.0 ou superior & G.Chrome. Todos os Direitos Reservados | 2008-2014 ©


  
Publication6








 Conhe ça a Rádio Né! - Música e Informação 24h.
 
 
  Site Map