Ajude este projeto de Evangelização. Clique na figura ao lado e vote no site para o Prêmio Top Catolicanet

 

 

 

 

 

Dinâmicas para Grupos Jovens & MEJ 
Parte 2                                 

Nesta seção você encontra dinâmicas de conhecimento mútuo e interação para nossos jovens e adolescentes.

 

 19 - Dinâmica: EVANGELHO EM PEDAÇOS

- Fonte: Grupo Caminhando na Fé
- Participantes: 10 a 15 pessoas
- Tempo Estimado: 30 minutos
- Modalidade: Leitura da Bíblia e Debate.
- Objetivo: Estimular a procura e análise de passagens da Bíblia.
- Material: Papéis com pequenos trechos da Bíblia (partes de passagens) com indicação do livro, capítulo e versículos.
- Descrição: Cada integrante recebe um trecho da Bíblia e procura compreendê-lo. Para melhorar a compreensão do trecho, deve consultar a passagem completa na Bíblia. Em seguida, os integrantes devem ler o seu trecho e comentá-lo para o grupo. Ao final, é aberto o debate sobre os trechos selecionados e as mensagens por eles transmitidas.


20 - Dinâmica: Pão em Todas as mesas

Grupo Alvo: Com mais de um ano e meio de encontros.
Tempo: a dinâmica é para 1h30min,
Material: Um prato (plástico), pão e 1 uma cadeira.

Objetivo: Despertar consciência. Analisar a distribuição bens. Criar solução para as desigualdades. Companheirismo. Criar meios para que todos tenham
acesso a Vida em Abundância. A tudo que é necessário para termos vida em plenitude, livre de toda e qualquer exploração. E esse meio tem que partir
da ação junto com o Divino, para assim discernimos o que é certo e errado. Esse mecanismo que dará acesso tem que ser um mecanismo fixo, para que todos
independente de cor, sexo, religião, etc tenham acesso. Caso seja um mecanismo móvel, onde somente algum sejam detentores do mecanismo, criasse
ai um monopólio, e o ciclo mercenário contínua.

A dinâmica: Pega-se o prato, coloque um pão dentro e deixe o prato em um lugar (telhado da casa, árvore etc. Obs. Fazer isso antes de começar a
reunião) bem  alto onde somente uma pessoal pode pega-lo utilizando-se da cadeira (o dominador). Ninguém mais pode usar outra cadeira. A cadeira
representa o poder, o dinheiro. Somente com a cadeira é possível ter acesso ao pão de cada dia. Se não temos a cadeira, significa que não temos acesso
ao pão. Então precisaremos criar um forma para que tenhamos acesso também ao pão.

Iniciamos a reunião com a leitura de João 10, 10-11: 10 O ladrão não vem senão para roubar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida e a tenham
em abundância. 11 Eu sou o bom pastor; o bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas.

Em seguida o coordenador comenta sobre o que é ter vida em abundância. Vida em abundância: ter uma vida feliz em plenitude, sem exploração, sem miséria. Com acesso ao trabalho, a saúde, educação, ao lazer ao pão de cada dia. Onde ninguém seja explorado por ninguém e não passe necessidade de nada. Onde todos sejam iguais, onde ninguém sofra injustiças. Fazer uma relação entre o que temos, o que deveríamos ter e o que não temos para vivênciar essa vida em abundância. E Também quem tem essa vida em abundância. Trazer a discussão para a atualidade do bairro.  (O bairro tem praça, quadra esportiva, posto de saúde, creche, escola? As ruas são todas iluminadas, há segurança? Existe programas para inserir o jovem em seu primeiro emprego, programas sociais, algum família passando fome, pai desempregado ?

Separa-se o grupo em dois subgrupos. O  grupo 1 fará uma relação das coisas que nos dão condição para esse tipo de vida, montando um painel de como o vida deveria ser. O grupo 2 montará um painel de como a vida realmente é. Na discussão juntam-se os dois grupo em plenária para encontrarem a peça que geral esse a diferença entre os painéis.

Parte Prática:

Encerrado os subgrupos se reúnem novamente. Um grupo fará um círculo e todos de mão dadas (se possível também ajoelhadas) irão fazer uma oração em baixo
do prato que está além de nosso alcance. O objetivo desta oração é que o prato com o pão dessa, levite de sua posição original até o centro deste grupo para assim ter acesso ao pão. Terminada a oração o coordenado pergunta se o pão desceu. Caso o milagre não tenha ocorrido, o grupo faz mais uma oração para ver se a levitação ocorre. Ao terminar a segunda oração o grupo retorna para a sala. (obs. O grupo 2 esta acompanhado todo o desenrolada da situação).

Agora, o grupo 2 se reúne embaixo do prato com o pão. O coordenador dará a esse grupo várias lobas de meias (que representam pedras) e vassouras (que
representam pau) para conseguirem derrubar o prato. Ao derrubarem o prato o grupo volta ao seu lugar. Em seguida o grupo 1 aponta o forma como  do grupo 2 pegou o prato com o pão. O término da discussão o grupo 2 aponta a forma como o grupo 1 ; acesso ao pão. Os grupo apenas ouvem.

Das observação do coordenador: é preciso ação para que todos tenham acesso ao pão, se não sairmos de nossa casa e do templo Igreja para a Igreja comunidade e por nossas orações em prática de nada adianta nossa fé. Quanto o grupo 2 também não adianta partirmos para a briga (paus e pedra) para impormos nossas vontades. Vontades essa de que todos tem vida e a tenham em abundância. Mas, preciso voltar todas nossas ações baseadas nos ensinamentos de Cristo, partimos do Divino. A pedra e pau que derruba o prato é mesma que suja o pão, e quebraria o prato se fosse de vidro,  e que também poderia machucar alguém. Também não adianta que somente um grupo tenha acesso ao pão, é necessário que todos os outros grupos (raças, credos, etc etc) também tenham esse acesso. Então o grupo tem que criar algo permanente para que assim todos possam saborear desse pão.


Em seguida alguém faz leitura do Tiago 2, 14-26

14 Que proveito há, meus irmãos se alguém disser que tem fé e não tiver obras? Porventura essa fé pode salvá-lo?
15 Se um irmão ou uma irmã estiverem nus e tiverem falta de mantimento cotidiano,
16 e algum de vós lhes disser: Ide em paz, aquentai-vos e fartai-vos; e não lhes derdes as coisas necessárias para o corpo, que proveito há nisso?
17 Assim também a fé, se não tiver obras, é morta em si mesma.
18 Mas dirá alguém: Tu tens fé, e eu tenho obras; mostra-me a tua fé sem as obras, e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras.
19 Crês tu que Deus é um só? Fazes bem; os demônios também o crêem, e estremecem.
20 Mas queres saber, ó homem insensato, que a fé sem as obras é inútil?
21 Porventura não foi pelas obras que nosso pai Abraão foi justificado quando ofereceu sobre o altar seu filho Isaque?
22 Vês que a fé cooperou com as suas obras, e que pelas obras a fé foi aperfeiçoada.
23 E se cumpriu a escritura que diz: E creu Abraão em Deus, e isso lhe foi imputado como justiça, e foi chamado amigo de Deus.
24 Vedes então que é pelas obras que o homem é justificado, e não somente pela fé.
25 E de igual modo não foi a meretriz Raabe também justificada pelas obras, quando acolheu os espias, e os fez sair por outro caminho?
26 Porque, assim como o corpo sem o espírito está morto, assim também a fé sem obras é morta.

Após a leitura os dois grupo se reúnem para criar um mecanismo que, dentro da leitura de Tiago e das ações tomadas pelo grupos 1 e 2, possibilite pão
para todos. Lembrando-se que ninguém pode usar nenhuma cadeira, porque a cadeira já tem dono. O terminarem o coordenador pergunta se o sistema criado possibilita que todos possam ter acesso. Se um aborígine descobrir que o Grupo de Jovens  descobriu uma forma em que todos tenham acesso ao alimento e
venham participar do banquete, será possível também a eles terem acesso.  Lembre-se que ninguém entende os aborígenes, portanto ninguém poderá dizer:
é assim e assado, pega esse e põe nas consta e este paga, ou pega esse pau e empurra.. É preciso algo fixo, uma ponte fixa. É possível se criar essa ponte?

Ao terminarem cada um comenta o que entendeu da reunião de hoje, e de nosso papel como pessoal e como Grupo de Jovens.

Oração Final: Fazer da música Pai Nosso dos Mártires como oração final.




21 - Dinâmica: Somos criação de Deus e sofremos influência do mundo.

Duração: 30 min.
Material: papel e lápis suficiente para todos os participantes. Sentado em círculo, cada um recebe uma folha e um lápis; escreve o nome e faz um desenho que represente a si mesmo (pode ser boneco de palitinhosou com detalhes) deixar uns 2 a 3 minutos, incentivar os preguiçosos e os tímidos. Observar o desenho: ele está pronto, mais ou menos, o que vc gostaria de fazer? Passar o desenho ao colega do lado direito, pedir que acrescente uma coisa ao desenho, passar  novamente para a direita, repetir o processo até chagar novamente em suas mãos. Observar o que foi acrescentado. Observar como podemos mudar, ser
influenciado por valores externos, por outras pessoas e pelos meios de comunicação. Será que estamos realmente prontos? Será que temos convicção de nossa fé e sobre nossa responsabilidade de construirmos aqui o Reino de Deus. Estamos moldados mais voltados a Deus ou voltados os homens. O que você acha que foi modificado no desenho que pode ajudar positivamente e negativamente.




22 - Dinâmica: Ser Igreja/Grupo de Jovens

Duração: aprox. 15 min
Material: 1 bola inflável para cada participante. Entregar uma bexiga a cada adolescente/jovem e pedir pra que eles brinquem com as bolas, mas não as deixem cair. Ir tirando, devagar, um a um do círculo, e perceber como aumenta a dificuldade dos últimos para deixar tantas bexigas no ar. Depois de terminada a dinâmica, incentivar o debate e explicar que a igreja/grupo de jovens está dentro de cada um, e que todos devem participar, pois cada um tem um lugar especial na  igreja/grupo de jovens. A igreja/grupo e jovens, assim como as bexigas não podem se sustentar no ar, isto é, de pé, sozinha ou com poucas pessoas, ela/ele precisa de todos nós. Cada um de nós é responsável pelo andamento da Igreja/Grupo de Jovens. Lembrando sempre que ambos são corpo de Cristo.


23 - Dinâmica: LIXO contra MEIO AMBIENTE

- Fonte: Grupo de Jovens FOJAT
- Participantes: Em torno de 20 pessoas .
- Tempo Estimado: 20 min .
- Modalidade: Meio Ambiente .
- Objetivo: Desenvolver uma preocupação de preservação do meio ambiente que vivemos e se preocupar com as pessoas que vivem em locais críticos como
próximo de córregos e rios .
- Material: Um salão ou o próprio local fechado onde o grupo se reúne, vassouras de acordo c/ o número de participantes, pazinhas de lixo, 4 baldes pequenos com saco de lixo, bastante papel picado e sujeira de acordo com que você ache conveniente para jogar no salão, bancos e/ou cadeiras e um barbante um pouco maior que a largura da sala onde se aplicará a dinâmica .
- Descrição: Antes que o pessoal entre no salão, forme um espaço grande retangular dentro do salão com as cadeiras e/ou bancos . Espalhe o lixo de forma que todo o espaço que você formou tenha este lixo . Pegue os baldes e espalhe pelo salão, preferencialmente debaixo das cadeiras e/ou bancos de maneira que não fique muito oculto . Espalhe as vassouras e pazinhas de lixo próximo do local . Divida o espaço em dois com o barbante . Verificando que o local está uma verdadeira sujeira, convida-os para oração inicial dentro do espaço com o lixo . Eles certamente não se sentirão à vontade mas faça a oração inicial mesmo assim . Logo depois o ANIMADOR explica que teremos uma dinâmica com dois times ( sugestão: pode ser moças contra os rapazes ), cada time deverá se livrar da sujeira antes do outro, aquele time que terminar de limpar antes será o vencedor . Enquanto eles estiverem limpando você escolhe duas pessoas ( OS BAGUNÇADORES ) de cada time para bagunçar e sujar a área do adversário, peça para espalhar a sujeira do outro, pegar o lixo que estiver no balde e espalhar novamente, fazendo com quê a turma empurre o lixo para a área do time adversário . Após um 15 minutos peça para todos pararem e sentarem ( inclusive os BAGUNÇADORES ) e inicie os questionamentos.
.
Possíveis questionamentos:
- Será que realmente nos preocupamos em zelar pelo nosso meio ambiente ?
- Será que sempre tentamos nos livrar das sujeiras em frente da nossa casa empurrando o lixo para frente da calçada do vizinho, como hoje estávamos jogando o lixo na área do outro time ?
- Será que ao se livrarmos dos nossos lixos nós se preocupamos em não deixar as águas das chuvas levar esses lixos para bueiros, córregos, rios etc provocando enchentes e inundações nas casas das pessoas que moram em locais críticos ?
- Será que ao atirarmos um saco de lixo em terrenos baldios nós se preocupamos com os moradores ao redor que ficam expostos à proliferação de insetos e ratos, causando doenças à seus familiares ?
- Será que quando chupamos uma bala, uma pastilha, um sorvete etc  nos preocupamos em jogar a embalagem no lixo ou desistimos rapidamente de achar
um lixo e jogamos a embalagem no chão ?
- Será que Deus fica contente ao saber que nós, ao viajarmos pelas estradas, ficamos atirando todo tipo de lixo e até bitucas de cigarros que provocam incêndios no nosso mundo que Ele criou ?
- Que tal ao vermos um de nossos amigos jogando a embalagem de bala no chão, chamássemos a atenção dele para guardar aquela embalagem no bolso até
encontrar uma lixeira ? Imagine se ele habitua-se a fazer isso e passar esse pensamentos aos conhecidos dele !




24 - Dinâmica: Condutor Cego

Público e Contexto: Grupos em RdP, com pelo menos alguns meses de caminhada e algum projeto em execução

Objetivo: Trabalhar a comunicação entre os membros dos grupos, estimular pessoas que falem pouco e pessoas ouvem pouco a participarem e contribuirem mais.
Material: Algumas cadeiras de rodas (uma por dupla) alguns obstáculos (mesas, cadeiras, panos molhados, vasos de planta, etc). Preparação: Quem estiver assessorando os trabalhos deve tentar identificar ou o grupo pode identificar as pessoas que tenham dificuldades para expressar suas opiniões e pessoas que tenham dificuldade em ouvir as opiniões  dos demais membros do grupo. É preciso criar um caminho com início e final, várias altenativas de caminho (não criar um curral) e espalhar os obstáculos, podemos criar um competição  (ver qual dupla chega primeiro ou espalhar objetos para que sejam recolhidos e contados ao final)

Tempo:  10 min mais avaliação
Procedimento: "aqueles que falam pouco" devem ficar sentados nas cadeiras e com pés e mão atados, "os que ouvem pouco" devem estar vendados e devem ser
girados antes de assumirem a condução da cadeira.  Depois reunir todos e avaliar a atuação de cada um.

Nome: Como eu me vejo e como vocês me vêem
Público e Contexto: Grupos em RdV com algum tempo de caminhada (pelo menos 6 meses)
Objetivo: Comparar como as pessoas se vêem e como são vistas pelas outras pessoas do grupo
Material: papel, lápis e borracha.
Tempo: Meia hora
Procedimento: Cada membro deve ter duas folhas de papel, uma para que ele se descreva e outra para que os demais o descrevam, depois cada membro deve
fazer seus "retratos" e compará-los

Reflexão: Será que sou o que pareço ser? Será que sou o que quero ser?




25 - Dinâmica:  Olá, como vai?

Público e Contexto: Grupos em nucleação, encontros, retiros, com pessoas que não se conhecem.

Objetivo: "quebrar o gelo"
Material: nenhum
Tempo: 1 hora  (dependendo do número de pessoas é possível dividir em grupos e cada grupo realizar a sua dinâmica)

Procedimento: Formar um círculo, com todos os participantes, pedir que cada um e apresente e procure conversar alguns minutos com a pessoa a sua
esquerda e a sua direita. Pedir que todos mudem de posição aleatóriamente e pedir que após a mudança novamente se apresentem e converesem um pouco e
falem sobre as duas pessoas com quem falaram antes. Depois cada membro fala em plenário, em no máximo 3 minutos, se apresenta e fala sobre as 4 pessoas
às quais se apresentou.


26 - Dinâmica: Roda Viva
Objetivos:
1- Debater um tema e desenvolvê-lo de forma participativa.
2-Envolver a todos do grupo no debate.
3-Falar sobre o que cada um sabe a respeito de um assunto.
4-Saber expor e ouvir.

Passos:
1- Fazer dois círculos, um de frente para o outro, de pé.
2- O círculo de dentro fica parado no lugar inicial e o círculo de fora gira para a esquerda, a cada sinal dado pelo animador ou coordenador do grupo.
3- Cada dupla fala sobre o assunto colocado para reflexão, durante dois minutos, sendo um minuto para cada pessoa.
4- O Círculo de Fora vai girando até chegar no par inicial.
5- Depois deste trabalho, realiza-se um plenário, onde as pessoas apresentam conclusões, tiram dúvidas, complementam idéias.
6- Complementação do assunto pelo coordenador.

Observações:
1- O assunto deve ser preparado pelo coordenador, com antecedência.
2- Os participantes do grupo devem pesquisar e fazer leituras prévias sobre o assunto.


Avaliação:
- O que descobrimos sobre o assunto?
- Como nos sentimos durante a dinâmica?
- O que foi positivo?
- Que ensinamentos podemos tirar para o grupo?


27 - Dinâmica:  Juri Simulado
Objetivos:
1- Estudar e debater um tema, levando todos os participantes do grupo se envolverem e tomar uma posição.
2- Exercitar a expressão e o raciocínio.
3- Desenvolver o senso crítico:

Participantes: (Funções)
Juiz: Dirige e coordena o andamento do júri.
Advogado de acusação: Formula as acusações contra o réu ou ré.
Advogado de defesa: Defende o réu ou ré e responde às acusações formuladas pelo advogado de acusação.
Testemunhas: Falam a favor ou contra o réu ou ré, de acordo com o que tiver sido combinado, pondo em evidência as contradições e enfatizando os argumentos fundamentais.
Corpo de Jurados: Ouve todo o processo e a seguir vota: Culpado ou inocente, definindo a pena. A quantidade do corpo de jurados deve ser constituido por número impar:(3, 5 ou 7)


Público: Dividido em dois grupos da defesa e da acusação, ajudam seus advogados a prepararem os argumentos para acusação ou defesa. Durante o juri, acompanham em silêncio.


Passos:
1- Coordenador apresenta o assunto e a questão a ser trabalhada.
2- Orientação para os participantes.
3- Preparação para o júri.
4- Juiz abre a sessão.
5- Advogado de acusação (promotor) acusa o réu ou ré (a questão  em pauta).
6- Advogado de defesa, defende o réu ou a ré.
7- Advogado de acusação toma a palavra e continua a acusação.
8- Intervenção de testemunhas, uma de acusação.
9- Advogado de defesa, retoma a defesa.
10- Intervenção da testemunha de defesa.
11- Jurados decidem a sentença, junto com o juiz.
12- O público, avalia o debate entre os advogados, destacando o que foi bom, o que faltou.
13- Leitura e justificativa da sentença pelo juiz.

Avaliação:
- Que proveito tiramos da dinâmica?
- O que mais nos agradou?
- Como nos sentimos?
- O que podemos melhorar?


28 - Dinâmica:  Cochicho
Objetivos
1- Levar todos do grupo a participar de uma discussão.
2- Colher opiniões e sugestões de um grupo, e sondar-lhes os interesses.
3- Criar uma atmosfera informal e democrática durante um estudo, debate.
4- Dar oportunidade para a troca de idéias dentro de um grupo.
5- Ajudar as pessoas a se libertarem das suas inibições.
6- Obter rapidamente idéias, opiniões e posições dos participantes  de um grupo.

Componentes:
1- Coordenador: orientar e encaminhar o trabalho
2- Secretário: anota no quadro ou papelógrafo, as idéias dos participantes
3- Público: participantes do grupo.

Passos
1- coordenador expõe de forma clara uma questão, solicitando idéias do grupo;
2- Coordenador divide o grupo de 2 em 2 ou 3 em 3 (depende do número de participantes do grupo)
3- Formados os grupos, passam a trabalhar. Cada grupo tem 2, 3 ou 4 minutos para expor suas idéias, sendo um minuto para cada participante.
4- Uma pessoa de cada grupo expõe em plenário,. a síntese das idéias de seu grupo.
5-  O secretário procura anotar as principais idéias no quadro, ou num papelógrafo.
6- O coordenador faz um comentário geral, esclarece dúvidas.
7- Alguém do grupo pode fazer uma conclusão.

Avaliação
1- O que aprendemos?
2- O que descobrimos em relação ao grupo?
3- O que precisamos aprofundar sobre este assunto?


29 - Dinâmica:   ENTREVISTA
Objetivos
1- Obter conhecimentos, informações ou mesmo opiniões atuais a respeito de um tema.
2- Utilizar melhor os conhecimentos de um especialista sobre o tema.
3- Obter mais informações em menos tempo.
4- Tornar o estudo de um tema, mais dinâmico.

Componentes:
1- Coordenador (O próprio coordenador do grupo)
2- Entrevistado (Pessoa versada no tema de interesse do grupo)
3- Auditório (os demais participantes do grupo)

Passos:
1- coordenador apresenta em breves palavras, um tema, deixando várias dúvidas sobre o mesmo. (proposital)
2- Coordenador levanta com o grupo, a possibilidade de completar o conhecimento através de entrevista jusnto a pessoas que são estudiosas do assunto.
3- O grupo define o entrevistado.
4- O grupo, orientado pelo coordenador prepara as perguntas para a entrevista.
5- Convite ao entrevistado
6- Representante do grupo faz as perguntas.
7- Auditório vai registrando as respostas.
8- Coordenador possibilita comentários sobre as respostas dadas pelo entrevistado.
9- Coordenador faz uma síntese de todo o conteúdo.
10- Discussão sobre o assunto.
11- Grupo (auditório) apresenta verbalmente, suas conclusões.

Avaliação
1- Para que serviu a dinâmica?
2- O que descobrimos através de entrevista?
3- O que gostaríamos de aprofundar sobre o assunto?


30 - Dinâmica:   - Dramatização
Objetivos
1- Criar condições para a participação psicológica em uma discussão.
2- Pesquisa um assunto e apresentá-lo, simuladamente.
3- Libertar a discussão da centralização numa pessoa
4- Facilitar a comunicação mostrando ao invés de apenas falar.
5- Dar calor e vida aos fatos estudados.
6- Comprovar as diversas formas de encarar uma situação-problema.
7- Desenvolver a sensibilidade

Componentes
1- Diretor de cena: Promove discussão, esforçando-se para que todos participem dela.
2- Atores: Membros do grupo
3- Auditório: Outros membros da comunidade

Passos
1- Preparo
1.1- Estudo do tema: pesquisa, debate, etc
1.2- Prepara-se o assunto a ser dramatizado
1.3- Define-se personagens e suas características
1.4- Prepara-se os atores
1.5- Prepara-se o cenário
1.6- Prepara-se disfarces, etc.

2- Representação

3- Discussão
3.1 Atores avaliam a apresentação, destacando impressões, animação, envolvimento, relações, aprendizagem, dificuldades.

 

Indique esta seção a um amigo :: 

Tell a Friend

 
 
Receba mais informações e conteúdos participando do nosso Grupo em:
www.facebook.com/groups/portaldecatequese.catequistabrunovelasco
 
"Ser catequista é experimentar o humano e almejar  o divino"  -  Catequista Bruno Velasco, MEJ.
Desenvolvido para I.Explorer 7.0 ou superior & G.Chrome. Todos os Direitos Reservados | 2008-2014 ©
  Site Map